Textos


Meu corpo virou concreto

Às vezes, meus olhos parecem duas bolas de fogo saltando no espaço
do oco do meu cérebro onde há apenas cansaço.

Corro de um lado a outro por ruas sem saída e becos de vielas,
não há espaço nessa cidade que abarque a deformidade
do meu gingatismo. 

Minhas mãos estão feridas no asfalto quente do meio-dia,
as dores parecem um pouco com a incandescência
de lava
de vulcão.

O olho do sol no meio da tarde no céu é a boca do inferno.

Eu choro lágrimas sem liquidez,
todo meu corpo virou concreto. 
Larissa Prado
Enviado por Larissa Prado em 19/06/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Áudios Relacionados: